Como Chegar

MARÇO NA CASA FIAT DE CULTURA

CONSTRUÇÕES AFETIVAS: NELLO NUNO E ELIANA RANGEL NA CASA FIAT DE CULTURA

É a primeira exposição a reunir obra dos dois irmãos e grandes artistas mineiros, com exemplares de toda sua trajetória artística

A partir de 6 de março de 2018, a exposição “Construções Afetivas: Nello Nuno e Eliana Rangel na Casa Fiat de Cultura” reunirá, pela primeira vez, a obra destes dois irmãos, nascidos em Viçosa (MG), que se consagraram como grandes nomes do cenário artístico mineiro.  As mais de 80 obras expostas, entre pinturas, vídeo e objeto em diálogo plástico-visual, revelam as singularidades e afinidades entre os artistas. Com trabalhos que marcam várias fases da produção de cada um, a mostra oferece ao público a oportunidade de explorar os caminhos das invenções e das escolhas estéticas e técnicas de Nello e Eliana. A exposição, que envolveu mais de 30 colecionadores, conta com curadoria dos artistas plásticos Márcio Sampaio e Nello Rangel, e fica aberta à visitação até 6 de maio, com entrada gratuita. Durante a inauguração da exposição, haverá, ainda, o lançamento dos livros Nello Nuno: a poética do cotidiano e Eliana Rangel: construções afetivas, ambos escritos por Márcio Sampaio.

Segundo Sampaio, na mostra, “o espectador tem, diante de si, a afirmação da pintura como linguagem e como espaço para trabalhar sentidos de vida, capaz de mobilizar raciocínios e emoções, proposta por duas fortes personalidades artísticas e humanas”. Tanto nas telas de Eliana sobre a infância ou naquelas mais espirituais, referentes à vida adulta, quanto nas pinturas de Nello a retratar paisagens de Ouro Preto (MG) e o cotidiano da família, é possível perceber as construções afetivas dos irmãos. Para o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira, “a curadoria da mostra humaniza nossa percepção dos dois artistas e resgata a sua ausência entre nós, também como pessoas que fazem falta em nosso tempo”.

A programação paralela à mostra apresenta um bate-papo com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel sobre vida e obra dos artistas, no dia 5 de abril, das 19h30 às 21h, na Casa Fiat de Cultura, com entrada gratuita. Além das visitas mediadas à exposição, incluindo materiais de acessibilidade, o Programa Educativo preparou duas atividades inspiradas na arte de Nello e Eliana: o Ateliê Aberto de Pintura Acrílica, a ser realizado durante todo o mês de março, aos sábados e domingos; e a Formação de Professores – Pintura e Paisagem na sala de aula, marcada para os dias 27, 28 e 29 de março. A participação é gratuita.

A exposição é uma realização do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e da Casa Fiat de Cultura, com patrocínio de Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Banco Fidis, Fiat Chrysler Finanças, Fiat Chrysler Participações e Banco Safra, e apoio de Usiminas, Circuito Liberdade, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), Governo de Minas e Governo Federal.

Exposição

Ao entrar na galeria, o visitante passará por uma linha do tempo, com marcos das trajetórias de vida e carreira dos artistas, e revela influências e inspirações que se tornaram presentes na obra de Nello e Eliana. Há registros históricos, como as fotografias de família – com o avô Godofredo Rangel e o amigo Monteiro Lobato, escritores brasileiros, animais de estimação, cadernos escolares e, até mesmo, cartas e desenhos da infância.

A linha do tempo mostra, ainda, as obras de início de carreira, as primeiras exposições, as instituições onde estudaram e trabalharam, até o fim de suas vidas, de maneira a possibilitar a percepção do amadurecimento artístico dos irmãos. Os artistas também eram poetas e escreviam no mesmo sentido em que pintavam, com profundidade e afetividade. Nas paredes da galeria, o visitante encontra, afixados, diversos poemas que dialogam com as obras.

No amplo espaço expositivo, as obras ilustram as fases da produção criativa de cada irmão, sendo possível perceber os encontros e desencontros artísticos de Nello Nuno e Eliana Rangel. “Pela primeira vez juntos em uma exposição, os irmãos nos oferecem a oportunidade de experimentar o rico diálogo de suas linguagens pictóricas, expressas de forma densa, poderosa, em um forte e lúdico jogo de cores e composições”, comenta um dos curadores, Nello Rangel.

Nas obras de Nello Nuno, sobressai o lirismo poético. O artista retrata seu cotidiano – a família, a casa, os animais e a paisagem de Ouro Preto (MG), onde escolheu morar –, a exemplo das telas A família feliz (1969) e Paisagem (1967). Ao longo de sua vida, praticou uma figuração marcada pelo desejo de liberdade, extraindo humor e lirismo das coisas simples do dia a dia. Povoou suas telas com personagens fantásticos, como nos quadros Os dragões (1966) e Paisagem com beijagira (1967). Nello criou as beijagiras, uma mistura de beija-flor e girassol, inspirado nas histórias do amigo e escritor Murilo Rubião.

O artista também reportou, em suas obras, questões políticas e sociais, como na série Morte e Vida Severina (1967), inspirada no poema homônimo de João Cabral de Mello Neto. Em tempos de grande tensão política no país, Nello cria um conjunto de pinturas, aquarelas e desenhos de formas secas e duras como a própria paisagem nordestina. Esta série é apresentada, na exposição, em formato de vídeo – ao lado do qual, encontra-se um objeto (sem título) inspirado no mesmo texto. Trata-se de uma caixa de acrílico transparente, preenchida com terra. Nela, misturam-se figuras humanas e plantas, em alusão às transformações da matéria no ciclo da vida. O objeto é um projeto que Nello idealizou em 1996, e é apresentado em formato simplificado na exposição.

Ao final, sua pintura depurou-se à abstração geométrica, com inserções figurativas, como a bicicleta do equilibrista, presente em diversas telas.

As obras de Eliana Rangel, assim como as do irmão, apresentam memórias afetivas às telas do início de sua carreira. A artista parte de uma figuração mais objetiva, ao pintar elementos que evocam a infância – gatos, cães, crianças, brinquedos –, como na série de pinturas Brincadeiras (1969-1980), mas logo se interessou pela abstração.

As construções abstratas de Eliana incorporam, primeiramente, signos das culturas indígena e africana, propondo uma “arte mestiça”, como nas obras Terra, ritmo (tríptico, parte 2) (1986) e Xingu (1986). Com exuberância de formas, cores e texturas, as telas são resultado de experimentações técnicas com diferentes materiais.

Por fim, Eliana encaminhou sua obra para a redução geométrica e a abstração lírica, rica em matéria pictórica, em cores mais apaziguadas, até chegar ao branco sobre branco. Em outro momento, a artista buscava um novo sentido para sua pintura, à procura de compreensão para o que chamava de “verdade essencial”. Pesquisadora inquieta, ela se aprofundou nos estudos esotéricos e encontrou, na obra do físico indiano Amit Goswame, a compreensão dos grandes mistérios que a inquietavam. Para Eliana, a arte se constituiu como meio para chegar a um lugar transcendental, onde as energias físicas e espirituais se tocam e se complementam.

 

Nello Nuno

Nascido em Viçosa (MG), em 1939, Nello Nuno começou a pintar ainda adolescente, usando as tintas e os pincéis da mãe, também pintora e sua principal incentivadora. Morou a maior parte da vida em Ouro Preto (MG), tendo se mudado para a cidade em 1963, ano em que também realizou sua primeira mostra individual, que inaugurou a galeria da Associação Mineira de Artistas Plásticos (Amap), logo recebendo a aprovação entusiasmada da crítica e do público. Expôs, em seguida, em Montevidéu (Uruguai) e em diversas cidades brasileiras. Foi premiado em vários salões, com destaque para o do Museu de Arte da Pampulha, em 1973. Foi professor da Fundação de Arte de Ouro Preto, da Escola Guignard e da Escola de Belas Artes da UFMG. Em 1974, por indicação de Amílcar de Castro, obteve bolsa da Fundação Guggemhein, para desenvolver trabalho em Nova York, vindo a falecer antes de fazer a viagem. Morreu em 1975, aos 35 anos de idade.

Eliana Rangel

Nascida em Viçosa (MG), em 1941, encontrou em Belo Horizonte o ambiente ideal para produzir seus desenhos, ilustrações, objetos, pinturas e instalações. Entre as diversas exposições coletivas e individuais, foi artista convidada, em 1992, no evento “Viva Yanomamis Vivos”, no contexto da Eco/92, na Fundação Cultural do Distrito Federal, onde apresentou suas pinturas inspiradas nas artes africana e indígena, e também participou da Bienal de São Paulo e da Bienal del Deporto, em Montevidéu (Uruguai). Eliana fez parte do Núcleo Experimental de Arte da Escola Guignard, sob orientação de Amílcar de Castro. Além da trajetória como artista plástica, foi diretora artística da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade e atuou como curadora e museógrafa. Morreu em 2003.

O curador Márcio Sampaio

Nascido em 1941, em Santa Maria de Itabira (MG), Márcio Sampaio é escritor, artista plástico, crítico de arte, curador e professor aposentado da Escola de Belas Artes da UFMG.  Atuou como superintendente da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (1992/96), curador do Museu da Pampulha (1968/72) e do Palácio das Artes (1972/1985), tendo produzido cerca de 500 exposições, salões de arte e eventos. Participou da Bienal de São Paulo e realizou mostras individuais em diversos museus e galerias no Brasil e no exterior, com várias premiações. Autor de diversos livros premiados de poesia, histórias para crianças e ensaios, integrou antologias de poesia brasileira, de contos e de crítica de arte. Foi curador da grande exposição Barroco Mineiro, apresentada em Nova York (1981). Atualmente, Márcio desenvolve projeto de pesquisa, análise crítica e arquivo documental sobre artes plásticas em Minas Gerais, hoje sediado em espaço especial no Museu Mineiro.

O curador Nello Rangel

Nascido em 1964, em Belo Horizonte (MG), filho dos artistas Nello Nuno e Anna Amélia Lopes, Nello Rangel é artista plástico, professor de Artes e psicólogo. Formou-se na Fundação de Artes de Ouro Preto (FAOP), onde, mais tarde, foi professor de Iniciação Musical, Artes e Teoria da Cor. Ministrou cursos de Teoria da Cor em cursos de extensão da Escola de Belas Artes da UFMG e da Escola Guignard, assim como no curso de Restauração da FAOP.

Bate-papo

No dia 5 de abril, das 19h30 às 21h, será realizado o Bate-papo “Vida e Obra de Nello Nuno e Eliana Rangel”, com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel, na Casa Fiat de Cultura. A entrada é gratuita, com espaço sujeito à lotação (200 lugares) e distribuição de senhas a partir das 18h30.

SERVIÇO

Exposição Construções Afetivas: Nello Nuno e Eliana Rangel na Casa Fiat de Cultura

6 de março a 6 de maio de 2018

Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

Bate-papo: Vida e Obra de Nello Nuno e Eliana Rangel

Com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel

5 de abril

19h30 às 21h

Entrada gratuita

Espaço sujeito à lotação (200 lugares); distribuição de senhas a partir das 18h30

Programa Educativo

Ateliê Aberto de Pintura Acrílica

Março 2018 – sábados e domingos

10h às 11h30 – crianças de até 12 anos

14h às 17h30 – jovens e adultos

Participação gratuita

15 vagas, sem inscrição prévia

Formação de Professores – Pintura e Paisagem na sala de aula

27, 28 e 29 de março

19h às 21h

Participação gratuita

Inscrições de 20 a 23 de março no link:  http://bit.ly/2p04Dws

Informações pelo telefone (31) 3289-8910

REFÚGIO POÉTICO: WENDELL LEAL NA PICCOLA GALLERIA DA CASA FIAT DE CULTURA

Com pinturas inspiradas no Parque Municipal de Belo Horizonte, a exposição retém o silêncio e a tranquilidade que persistem dentro de um hipercentro

 

Onde encontramos refúgio nas grandes cidades? Esta é uma reflexão que o artista plástico mineiro Wendell Leal traz para a Casa Fiat de Cultura a partir de 30 de janeiro, com a exposição Refúgio Poético. Um dos projetos escolhidos no 2º Programa de Seleção da Piccola Galleria, a mostra conta com 12 aquarelas e uma tela pintada à tinta acrílica inspiradas no simbólico Parque Municipal Américo Renné Giannetti, fundado em 1897, no hipercentro de Belo Horizonte. Com curadoria de Janaína Cunha, a exposição questiona a agitada vida urbana e elege a natureza como refúgio. A mostra fica aberta à visitação até 18 de março e a entrada é gratuita.

“Refúgio Poético” nasce de uma contradição: busca no hipercentro de uma capital e seu ritmo intenso imagens que desaceleram o pensamento. “Nos meus trabalhos anteriores, inspirados em fotografias do centro urbano, a paleta com tonalidades de cinzas e pretos eram muito presentes. O parque surgiu como um local de refúgio dentro de uma cidade cinza e opressora”, explica o artista. Sua paleta ganha, então, uma diversidade de cores que se contrapõem à aridez do cotidiano, e suas pinturas, a representação de um lugar imponente e exuberante e, ao mesmo tempo, sensível e acolhedor.

A exposição remete também à memória afetiva dos habitantes com os espaços da cidade. O Parque Municipal fez parte da infância de Wendell e das histórias contadas por seus pais. Já adulto, o artista retorna ao parque no momento em que precisava de isolamento, e a partir dessas visitas surgem as obras expostas na mostra. “Filhas do silêncio e da introspecção, as telas revelam retratos de um tempo que ultrapassa o sujeito para se fixar na memória histórica da cidade”, conclui a curadora Janaína Cunha, que tem extensa carreira no jornalismo cultural e, atualmente, é Gerente de Cultura do Sesc Palladium.

A mostra “Refúgio Poético” é uma realização do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e da Casa Fiat de Cultura, com o patrocínio da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Banco Fidis, Fiat Chrysler Finanças, Fiat Chrysler Participações e Banco Safra. A exposição conta com apoio institucional do Circuito Liberdade, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), Governo de Minas e Governo Federal.

 

As obras: recortes do Parque Municipal

A exposição apresenta uma série de trabalhos que Wendell Leal desenvolve desde 2011 inspirados no Parque Municipal Américo Renné Giannetti. Não se tratam de paisagens, mas dos detalhes da vegetação, formada por árvores centenárias, nativas e exóticas. Ao escolher pintar recortes das plantas, o artista deixa o leitor de suas telas aberto à imaginação sobre onde está a origem desses registros, assim como a identificação de outros lugares que tragam para o público a mesma sensação de refúgio. Os enquadramentos também permitem decifrar as minúcias das plantas, funcionando quase como uma lupa.

Ao fundo da Piccola Galleria, destaque para uma grande tela pintada à tinta acrílica (sem título), de 180 x 150cm, que apresenta uma Musa ornata, nome científico da bananeira ornamental. Nas paredes laterais, a série de aquarelas (sem título), de tamanho 42 X 30cm, tem maior gradação nas cores devido à técnica utilizada. Continuam presentes pinturas de Musa ornata, em que o vermelho e o laranja das flores e frutos se misturam ao verde e ao marrom que predomina nas demais obras. Em diversas aquarelas, nota-se a espécie Monstera deliciosa, conhecida como Costela-de-adão, marcante na paisagem do Parque Municipal e que ganhou a atenção do artista pelo “movimento” que apresenta, por ser uma planta trepadeira e se misturar à vegetação ao redor.

 

Wendell Leal

Nascido em Belo Horizonte, em 1974, Wendell Leal é pós-graduado em Artes Plásticas pela Escola Guignard. Durante os estudos, procurou uma forma mais prática de traduzir suas inspirações artísticas e começou a pintar no ateliê de Pedro Augusto. Em 2011, fez um curso de extensão em pintura na Universidade Federal de Minas Gerais com o professor Samir Lucas, que marcou o momento em que começou a pintar suas grandes telas. Em 2016, entrou para o ateliê de Mário Zavagli, tendo desenvolvido sua técnica em aquarela.

 

A atual pesquisa de Wendell, presente também na exposição “Refúgio Poético”, tem a cidade de Belo Horizonte, especialmente seu hipercentro, como tema de suas pinturas. O artista participou do “41º Salão de Arte de Ribeirão Preto” (SP) e já realizou outras mostras coletivas e individuais, entre elas “Transitório e permanente”, na Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa, em BH, e “Sobre o tempo”, no Museu Casa dos Contos, em Ouro Preto (MG).

 

Piccola Galleria

A Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura é um espaço de permanente incentivo às expressões artísticas que foi criado em 2016, destinado a novos artistas. A proposta é apresentar e destacar trabalhos inéditos – pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, fotografias, instalações, performances e/ou videoarte – de artistas locais, brasileiros ou estrangeiros.

O espaço, situado ao lado do painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari, no Hall Principal da Casa Fiat de Cultura, abriga exposições de curta duração, mas com toda visibilidade que a instituição enseja. No espaço são realizados dois tipos de mostras: aquelas programadas pela própria Casa Fiat de Cultura e as destinadas a artistas que inscreveram seus trabalhos, por meio de um processo de seleção realizado anualmente. Local intimista e com grande circulação de público, a Piccola Galleria conta com a chancela da Casa Fiat de Cultura e do Circuito Liberdade, um dos mais importantes corredores culturais do país.

Dentre os 97 inscritos no 2º Programa de Seleção, seis foram escolhidos: Fernanda Fernandes (Belo Horizonte), Ildeu Lazarinni (Belo Horizonte), Maíse Couto (Belo Horizonte), Mariângela Haddad (Ponte Nova-MG), Miro Bampa (Vinhedo-SP) e Wendell Leal (Belo Horizonte). Os trabalhos, inéditos e com técnicas diferenciadas, reúnem fotografias, aquarelas, pinturas a óleo e acrílica, instalação e assemblages.

Todas as exposições terão ações conjuntas entre a curadoria e o Programa Educativo da Casa Fiat de Cultura. Durante o período das mostras, os educadores da instituição oferecerão visitas mediadas para públicos agendados e espontâneos. Utilizando o conceito ampliado de acessibilidade, a mediação visa facilitar o acesso ao espaço e aos conteúdos não apenas para pessoas com deficiência, mas para todos os públicos. Gratuitas e abertas ao público, as atividades educativas dialogarão com as exposições, estimulando as múltiplas possibilidades de reflexão, particulares a cada mostra.

 

SERVIÇO

Exposição “Refúgio Poético” – Wendell Leal na Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura                                                                                                                                                       

30 de janeiro a 18 de março de 2018

Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

O painel “Civilização Mineira”

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), este é o maior painel de Candido Portinari em Minas Gerais, medindo 2,34 X 8,14 metros. Em exposição permanente, a obra conta, agora, com ficha técnica em braile, além de peças multissensoriais que fazem parte dos recursos de mediação para pessoas com deficiência visual. O painel retrata a mudança da capital mineira, da cidade de Ouro Preto para Belo Horizonte, em 12 de dezembro de 1897. Em meio à paisagem, a presença de Tiradentes e outras personalidades retoma outro marco da história do Estado: a Inconfidência Mineira (1789). Com técnica mista, têmpera e óleo, a obra é caracteristicamente modernista, sem abrir mão de fundamentos da pintura clássica. Portinari (1903 – 1962) é considerado um dos maiores artistas brasileiros do século XX, tanto por sua produção estética quanto pela atuação consciente nos âmbitos cultural e político.

A conservação do painel de Portinari foi feita pelo Grupo Oficina de Restauro, mesma equipe de especialistas que realizou a restauração da obra em 2014, quando a Casa Fiat de Cultura assumiu a salvaguarda do painel. De acordo com a coordenadora do projeto de conservação, Rosângela Reis Costa, “o exercício de avaliação e intervenção periódicas ao painel é essencial para que o trabalho original do pintor seja preservado, evitando perdas irreparáveis ou a necessidade de uma nova restauração, medida que só é tomada quando a obra já está muito danificada pelo tempo e manuseio indevido”.

Serviço
Exposição permanente: painel Civilização Mineira, 1959 (Candido Portinari)

Horário: das 10h às 21h de terça à sexta

das 10h às 18h sábado, domingo e feriados

Entrada gratuita

CONCURSO CULTURAL MULHER ARTISTA

 

Mulher qual é a sua arte? A Casa Fiat de Cultura valoriza todos os tipos de criação artística. Participe do nosso novo concurso cultural: durante o mês de março publique uma foto ou vídeo de até 50 segundos sobre a sua arte no Facebook e Instagram com as hashtags #MulherArtistaCFC, #CasaFiatdeCultura e #VEMpraCASA. O post selecionado, por uma comissão de mulheres da Casa Fiat de Cultura, receberá o livro sobre a vida e obra da pintora e desenhista Eliana Rangel, artista que está na nova exposição Construções Afetivas [abertura 6/03], e um café especial no Café da Casa.

 

QUEM PODE PARTICIPAR:

Mulheres de todas as idades que fazem todos os tipos de arte.

 

O TRABALHO SELECIONADO RECEBERÁ:

– 1 (um) exemplar do livro “Eliana Rangel: construções afetivas” escrito por Márcio Sampaio

– 1(um) café especial no Café da Casa para ser utilizado até o final da exposição 6/05/18.

 

REGULAMENO:

– período de participação 01/03 até 31/03

– Cada participante pode concorrer com apenas 1 foto ou vídeo, será considerada a primeira postagem.

-A participação no Concurso Cultural “Você Mulher Artista” implica a ciência e o consentimento de que as fotos publicadas com as hashtags #MulherArtistaCFC, #CasaFiatdeCultura e #VEMpraCASA no Facebook e no Instagram,  assim como o nome da selecionada, poderão ser utilizadas para divulgação da Casa Fiat de Cultura em todas as mídias disponíveis, tais como peças impressas, canais de televisão e internet. Casa a escolhida seja menor de idade, os pais ou responsáveis deverão autorizar a divulgação para tais fins.

– A foto precisa ter um mínimo de 150 dpi e o vídeo duração máxima de 50 segundos.

 

COMISSÃO JULGADORA:

– Todas as fotos e vídeos serão avaliados por uma comissão formada por mulheres que trabalham na Casa Fiat de Cultura.

 

RESULTADO:

– resultado será divulgado até o dia 16/04. A pessoa será comunicada por mensagem direta na rede social em que participou do concurso (Facebook ou Instagram) e será divulgado nas redes sociais e site da Casa Fiat de Cultura, com o nome da participante e a imagem selecionada.

FEIRINHA APROXIMA DE VERÃO

Essa típica feirinha gastronômica de rua, aberta ao público, tem como objetivo aproximar as pessoas por meio de cheiros, cores e sabores. Neste mês, a Feirinha Aproxima traz uma edição especial de verão, na qual o público poderá experimentar drinks e outros produtos da estação.

 

SERVIÇO

Dia: 25/03

Horários: 10h às 17h

Entrada gratuita

Informações:  (31) 3289-8910

ATELIÊ ABERTO PINTURA ACRÍLICA

 

Os participantes aprenderão os conceitos de estudo da cor – cores primárias, secundárias e complementares – e farão experimentações com técnicas de pintura em tinta acrílica. A atividade é inspirada na exposição em cartaz “Construções Afetivas: Nello Nuno e Eliana Rangel na Casa Fiat de Cultura”.

 

SERVIÇO

Dias: 3, 4, 10, 11, 17, 18, 24, 25 e 31/03

Horários: 10h às 11h30min – famílias e crianças até 12 anos.

14h ás 17h30min – jovens e adultos maiores de 12 anos.

Vagas: 15 por horário (não precisa de inscrição prévia)

 

*Crianças com idade até 5 anos deverão ser auxiliadas pelos responsáveis durante as atividades.

*Crianças com idade até 10 anos deverão ser acompanha pelos responsáveis.

*Todos os participantes deverão vestir roupas confortáveis e apropriadas ao manuseio de tintas, colas e outros materiais.

 

Informações:  (31) 3289-8910

PASSEIO CULTURAL – ENCONTROS COM O PATRIMÔNIO ARQUITETURA E RELIGIOSIDADE

 

Um passeio pela arquitetura e religiosidade de Belo Horizonte, saindo da Capela de Santana na Casa Fiat de Cultura e passando pelas igrejas de Lourdes, Boa Viagem e São José. Os estilos arquitetônicos neogótico, eclético e moderno dos templos, assim como as relações de cada um com a cidade, principalmente nas celebrações da Semana Santa, serão apresentados em um bate-papo descontraído com a educadora Ana Carolina Ministério que é historiadora, especialista em Barroco e mestranda em artes.

São 20 vagas e as inscrições podem ser feitas do dia 28/02 até 02/03 pelo telefone (31) 3289-8910. Em caso de chuva serão disponibilizadas capas.

 

***ATENÇÃO O PERCURSO INVERTEU, ao invés de começar na Casa Fiat de Cultura e terminar na Igreja São José, partiremos da Igreja São José e terminaremos na Capela de Santana na Casa Fiat de Cultura.

 

SERVIÇO

Dia: 4/03

Horários: 10h às 12h – Ponto de Encontro na Capela de Santana na Casa Fiat de Cultura

VAGAS ESGOTADAS

 

Informações e inscrições:  (31) 3289-8910

CURSO INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DA ARTE NO BRASIL

 

O curso de Introdução à História da Arte no Brasil tem duração de três meses [março, abril e maio] e é dividido em três módulos. Os participantes terão uma visão sobre a produção artística nativa e a influência de estrangeiros na construção da arte nacional. O curso passará também por nomes de destaque no cenário das artes, como Aleijadinho, Pedro Américo, Tarsila do Amaral e Helio Oiticica. Serão 10 mil anos de história abrangendo desde a arte pré-histórica, a indígena, a barroca, a neoclássica, a acadêmica, a moderna, a concreta e a contemporânea.

Um curso GRATUITO E ABERTO a todos. As aulas irão acontecer às terças e quintas-feiras das 19h às 21h. O certificado será oferecido mediante cumprimento mínimo de 75% da carga horária total, que é de 36h/aula. As inscrições vão até 28/02 pelo telefone (31) 3289-8910.

 

INSCRIÇÕES ENCERRADAS

Vagas: 20

 

CURSO

Meses: março, abril e maio

Horários:  das 19h às 21h- terças e quintas-feiras

Início do curso: 6/03

 

Informações e inscrições:  (31) 3289-8910

A Bienal de Arte Digital conta com exposições e performances de artistas de diferentes países explorando o tema “linguagens híbridas” em vários espaços de Belo Horizonte. As obras de Ana Moravi (BRA) e Mark Klink (EUA), exibidas na Casa Fiat de Cultura, propõem reflexões ligadas à transcedência do corpo e às experiências do olhar. Informações: bienalartedigital.com.

 

SERVIÇO

Dia: 28/03 a 29/abril

 

Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

Informações:  (31) 3289-8900

MÚSICA NA CAPELA – CORAL SESIMINAS

 

Com regência do maestro Felipe Magalhães, o Coral Sesiminas traz repertório variado para todos os gostos e idades, do clássico ao popular. Em 2018, o Programa Música na Capela completa três anos, oferecendo ao público apresentações mensais na Capela de Santana, localizada nos jardins da Casa Fiat de Cultura.

 

SERVIÇO

Dia: 25/03

Horários: 11h às 12h

 

Informações:  (31) 3289-8910

QUARTAS ITALIANAS – A MULHER NA ROMA ANTIGA

 

O primeiro Quartas Italianas de 2018 terá o tema A mulher na Roma Antiga, o ciclo de palestras é uma parceria da Casa Fiat de Cultura, da Fundação Torino Escola Internacional e do Consulado da Itália em Belo Horizonte. O historiador italiano Angelo Russi abordará o contexto familiar e social da mulher na sociedade romana antiga, passando pelos períodos republicanos, imperial, até chegar à Idade Média. A distribuição das senhas será a partir das 18h30 e a palestra terá tradução simultânea.

 

SERVIÇO

Dia: 14/03

Horários: 19h30 às 21h

Vagas: 200 vagas (A distribuição das senhas será a partir das 18h30)

 

 

Informações:  (31) 3289-8910

 

FORMAÇÃO DE PROFESSORES – PINTURA E PAISAGEM

 

Formação de Professores – Pintura e Paisagem na sala de aula irá acontecer nos dias 27, 28 e 29 de março, sempre das 19h às 21h. O curso apresenta a pintura como instrumento de reflexão sobre território, paisagem, afeto e memória, uma maneira estética de pensar as lembranças que compõem identidades e dão significado aos lugares e ao passado. Ao usar tintas guache e acrílica, os participantes serão apresentados à pintura de paisagens, que são estruturadas em camadas e planos de exposição. Como uma metáfora materializada de nossas memórias afetivas acerca de lugares, pessoas e situações, essas paisagens serão construídas pelos participantes. A atividade é inspirada na exposição em cartaz Construções Afetivas: Nello Nuno e Eliana Rangel na Casa Fiat de Cultura.

O objetivo é oferecer aos professores participantes de qualquer disciplina e ciclo, novas possibilidades de envolvimento dos alunos e estratégias do ensino.O curso tem 15 vagas para professores da rede pública e privada.

 

SERVIÇO

Dia: 27, 28 e 29/03

Horários: 19h às 21h

Vagas: 15 vagas é necessário ser professor da rede pública ou privada.

É necessária a apresentação de comprovante de vínculo com a instituição.

Inscrições: de 20 a 23/03 pelo link: http://bit.ly/2p04Dws

Informações:  (31) 3289-8910

FUNCIONAMENTO  CASA FIAT DE CULTURA DURANTE A SEMANA SANTA

 

A Casa Fiat de Cultura estará fechada no dia 30/03 . No sábado [31/02] e domingo [01/04] o funcionamento volta ao normal das 10h às 18h.

Balklänning Robe De Mariée Robe De Mariée Balklänning