Como Chegar

ABRIL NA CASA FIAT DE CULTURA

CONSTRUÇÕES AFETIVAS: NELLO NUNO E ELIANA RANGEL NA CASA FIAT DE CULTURA

É a primeira exposição a reunir obra dos dois irmãos e grandes artistas mineiros, com exemplares de toda sua trajetória artística

 

A partir de 6 de março de 2018, a exposição “Construções Afetivas: Nello Nuno e Eliana Rangel na Casa Fiat de Cultura” reunirá, pela primeira vez, a obra destes dois irmãos, nascidos em Viçosa (MG), que se consagraram como grandes nomes do cenário artístico mineiro.  As mais de 80 obras expostas, entre pinturas, vídeo e objeto em diálogo plástico-visual, revelam as singularidades e afinidades entre os artistas. Com trabalhos que marcam várias fases da produção de cada um, a mostra oferece ao público a oportunidade de explorar os caminhos das invenções e das escolhas estéticas e técnicas de Nello e Eliana. A exposição, que envolveu mais de 30 colecionadores, conta com curadoria dos artistas plásticos Márcio Sampaio e Nello Rangel, e fica aberta à visitação até 6 de maio, com entrada gratuita. Durante a inauguração da exposição, haverá, ainda, o lançamento dos livros Nello Nuno: a poética do cotidiano e Eliana Rangel: construções afetivas, ambos escritos por Márcio Sampaio.

Segundo Sampaio, na mostra, “o espectador tem, diante de si, a afirmação da pintura como linguagem e como espaço para trabalhar sentidos de vida, capaz de mobilizar raciocínios e emoções, proposta por duas fortes personalidades artísticas e humanas”. Tanto nas telas de Eliana sobre a infância ou naquelas mais espirituais, referentes à vida adulta, quanto nas pinturas de Nello a retratar paisagens de Ouro Preto (MG) e o cotidiano da família, é possível perceber as construções afetivas dos irmãos. Para o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira, “a curadoria da mostra humaniza nossa percepção dos dois artistas e resgata a sua ausência entre nós, também como pessoas que fazem falta em nosso tempo”.

A programação paralela à mostra apresenta um bate-papo com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel sobre vida e obra dos artistas, no dia 5 de abril, das 19h30 às 21h, na Casa Fiat de Cultura, com entrada gratuita. Além das visitas mediadas à exposição, incluindo materiais de acessibilidade, o Programa Educativo preparou duas atividades inspiradas na arte de Nello e Eliana: o Ateliê Aberto de Pintura Acrílica, a ser realizado durante todo o mês de março, aos sábados e domingos; e a Formação de Professores – Pintura e Paisagem na sala de aula, marcada para os dias 27, 28 e 29 de março. A participação é gratuita.

A exposição é uma realização do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e da Casa Fiat de Cultura, com patrocínio de Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Banco Fidis, Fiat Chrysler Finanças, Fiat Chrysler Participações e Banco Safra, e apoio de Usiminas, Circuito Liberdade, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), Governo de Minas e Governo Federal.

Exposição

Ao entrar na galeria, o visitante passará por uma linha do tempo, com marcos das trajetórias de vida e carreira dos artistas, e revela influências e inspirações que se tornaram presentes na obra de Nello e Eliana. Há registros históricos, como as fotografias de família – com o avô Godofredo Rangel e o amigo Monteiro Lobato, escritores brasileiros, animais de estimação, cadernos escolares e, até mesmo, cartas e desenhos da infância.

A linha do tempo mostra, ainda, as obras de início de carreira, as primeiras exposições, as instituições onde estudaram e trabalharam, até o fim de suas vidas, de maneira a possibilitar a percepção do amadurecimento artístico dos irmãos. Os artistas também eram poetas e escreviam no mesmo sentido em que pintavam, com profundidade e afetividade. Nas paredes da galeria, o visitante encontra, afixados, diversos poemas que dialogam com as obras.

No amplo espaço expositivo, as obras ilustram as fases da produção criativa de cada irmão, sendo possível perceber os encontros e desencontros artísticos de Nello Nuno e Eliana Rangel. “Pela primeira vez juntos em uma exposição, os irmãos nos oferecem a oportunidade de experimentar o rico diálogo de suas linguagens pictóricas, expressas de forma densa, poderosa, em um forte e lúdico jogo de cores e composições”, comenta um dos curadores, Nello Rangel.

Nas obras de Nello Nuno, sobressai o lirismo poético. O artista retrata seu cotidiano – a família, a casa, os animais e a paisagem de Ouro Preto (MG), onde escolheu morar –, a exemplo das telas A família feliz (1969) e Paisagem (1967). Ao longo de sua vida, praticou uma figuração marcada pelo desejo de liberdade, extraindo humor e lirismo das coisas simples do dia a dia. Povoou suas telas com personagens fantásticos, como nos quadros Os dragões (1966) e Paisagem com beijagira (1967). Nello criou as beijagiras, uma mistura de beija-flor e girassol, inspirado nas histórias do amigo e escritor Murilo Rubião.

O artista também reportou, em suas obras, questões políticas e sociais, como na série Morte e Vida Severina (1967), inspirada no poema homônimo de João Cabral de Mello Neto. Em tempos de grande tensão política no país, Nello cria um conjunto de pinturas, aquarelas e desenhos de formas secas e duras como a própria paisagem nordestina. Esta série é apresentada, na exposição, em formato de vídeo – ao lado do qual, encontra-se um objeto (sem título) inspirado no mesmo texto. Trata-se de uma caixa de acrílico transparente, preenchida com terra. Nela, misturam-se figuras humanas e plantas, em alusão às transformações da matéria no ciclo da vida. O objeto é um projeto que Nello idealizou em 1996, e é apresentado em formato simplificado na exposição.

Ao final, sua pintura depurou-se à abstração geométrica, com inserções figurativas, como a bicicleta do equilibrista, presente em diversas telas.

As obras de Eliana Rangel, assim como as do irmão, apresentam memórias afetivas às telas do início de sua carreira. A artista parte de uma figuração mais objetiva, ao pintar elementos que evocam a infância – gatos, cães, crianças, brinquedos –, como na série de pinturas Brincadeiras (1969-1980), mas logo se interessou pela abstração.

As construções abstratas de Eliana incorporam, primeiramente, signos das culturas indígena e africana, propondo uma “arte mestiça”, como nas obras Terra, ritmo (tríptico, parte 2) (1986) e Xingu (1986). Com exuberância de formas, cores e texturas, as telas são resultado de experimentações técnicas com diferentes materiais.

Por fim, Eliana encaminhou sua obra para a redução geométrica e a abstração lírica, rica em matéria pictórica, em cores mais apaziguadas, até chegar ao branco sobre branco. Em outro momento, a artista buscava um novo sentido para sua pintura, à procura de compreensão para o que chamava de “verdade essencial”. Pesquisadora inquieta, ela se aprofundou nos estudos esotéricos e encontrou, na obra do físico indiano Amit Goswame, a compreensão dos grandes mistérios que a inquietavam. Para Eliana, a arte se constituiu como meio para chegar a um lugar transcendental, onde as energias físicas e espirituais se tocam e se complementam.

Obras de destaque

Janela para a saudade (1975), Nello Nuno – uma das últimas obras que realizou, é a síntese de toda sua trajetória. Atento a uma construção geométrica, o artista faz alusão à casa feliz, que ele habita e constrói, diariamente, pela arte e pela liberdade, com apenas uma janela que se abre, em cortina singela, para mostrar o vaso de flores. Ao fundo, o azul da quietude, do silêncio da noite, quebrado pelas cores vibrantes dos demais objetos da cena, prenunciando o sol que logo virá, a luz que desvenda mistérios.


Terra, ritmo
(1986), Eliana Rangel – parte de longa série representativa da “arte mestiça”, um elo entre a contemporaneidade e as origens, repleta de signos das culturas indígena e africana. A obra, construída com sobreposição de massas e camadas de tecidos, nas quais faz incisões, criando espaços e texturas de cores fortes, faz parte, também, de um período bastante experimental da carreira da artista, com novas texturas e formatos.A família feliz (1969), Nello Nuno – também chamado pelo artista de Meus amores, o quadro, apresentado em intenso vermelho, retrata uma cena da família de Nello: Anna Amélia, sua esposa, com a filha mais nova no colo e os filhos mais velhos distraídos com seus brinquedos no chão da casa. A tela é representativa do período em que o artista decidiu mudar-se para Ouro Preto (MG), focando no cotidiano de sua casa, pintando com despreocupação, uma displicência criativa que tudo permite; em resumo, a arte como divertimento.
Asa de Anjo (Anjo Extermina/dor) (1990), Eliana Rangel – com tons pastéis, bem diferente das cores vibrantes que usava no início da carreira, a artista cria, como indica o título da obra, aquele “ser de luz” que aflora à superfície da tela para eliminar as sombras e trazer boas novas. A obra está inserida no momento em que Eliana aprofunda questões vitais para a pintura como expressão de sua experiência de vida. As imagens surgem como signos ou símbolos que respondem às suas inquietações e requisitam a capacidade do espectador de exercitar a fantasia e a imaginação.

Lançamento dos livros sobre os artistas

O evento de abertura da mostra, no dia 6 de março, a partir das 19h, também marca o evento de lançamento de dois livros escritos pelo curador Márcio Sampaio, com os títulos Nello Nuno: a poética do cotidiano e Eliana Rangel: construções afetivas. Ambos estarão à venda no Café da Casa, por R$ 60. Os livros contam a história de vida de cada irmão, com detalhes sobre suas trajetórias artísticas, e foram a base para a exposição na Casa Fiat de Cultura.

O lançamento dos livros é uma realização da Secretaria de Estado de Cultura de Minas Gerais, por meio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura, com patrocínio do Instituto Cultural Usiminas.

Nello Nuno

Nascido em Viçosa (MG), em 1939, Nello Nuno começou a pintar ainda adolescente, usando as tintas e os pincéis da mãe, também pintora e sua principal incentivadora. Morou a maior parte da vida em Ouro Preto (MG), tendo se mudado para a cidade em 1963, ano em que também realizou sua primeira mostra individual, que inaugurou a galeria da Associação Mineira de Artistas Plásticos (Amap), logo recebendo a aprovação entusiasmada da crítica e do público. Expôs, em seguida, em Montevidéu (Uruguai) e em diversas cidades brasileiras. Foi premiado em vários salões, com destaque para o do Museu de Arte da Pampulha, em 1973. Foi professor da Fundação de Arte de Ouro Preto, da Escola Guignard e da Escola de Belas Artes da UFMG. Em 1974, por indicação de Amílcar de Castro, obteve bolsa da Fundação Guggemhein, para desenvolver trabalho em Nova York, vindo a falecer antes de fazer a viagem. Morreu em 1975, aos 35 anos de idade.

Eliana Rangel

Nascida em Viçosa (MG), em 1941, encontrou em Belo Horizonte o ambiente ideal para produzir seus desenhos, ilustrações, objetos, pinturas e instalações. Entre as diversas exposições coletivas e individuais, foi artista convidada, em 1992, no evento “Viva Yanomamis Vivos”, no contexto da Eco/92, na Fundação Cultural do Distrito Federal, onde apresentou suas pinturas inspiradas nas artes africana e indígena, e também participou da Bienal de São Paulo e da Bienal del Deporto, em Montevidéu (Uruguai). Eliana fez parte do Núcleo Experimental de Arte da Escola Guignard, sob orientação de Amílcar de Castro. Além da trajetória como artista plástica, foi diretora artística da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade e atuou como curadora e museógrafa. Morreu em 2003.

O curador Márcio Sampaio

Nascido em 1941, em Santa Maria de Itabira (MG), Márcio Sampaio é escritor, artista plástico, crítico de arte, curador e professor aposentado da Escola de Belas Artes da UFMG.  Atuou como superintendente da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (1992/96), curador do Museu da Pampulha (1968/72) e do Palácio das Artes (1972/1985), tendo produzido cerca de 500 exposições, salões de arte e eventos. Participou da Bienal de São Paulo e realizou mostras individuais em diversos museus e galerias no Brasil e no exterior, com várias premiações. Autor de diversos livros premiados de poesia, histórias para crianças e ensaios, integrou antologias de poesia brasileira, de contos e de crítica de arte. Foi curador da grande exposição Barroco Mineiro, apresentada em Nova York (1981). Atualmente, Márcio desenvolve projeto de pesquisa, análise crítica e arquivo documental sobre artes plásticas em Minas Gerais, hoje sediado em espaço especial no Museu Mineiro.

O curador Nello Rangel

Nascido em 1964, em Belo Horizonte (MG), filho dos artistas Nello Nuno e Anna Amélia Lopes, Nello Rangel é artista plástico, professor de Artes e psicólogo. Formou-se na Fundação de Artes de Ouro Preto (FAOP), onde, mais tarde, foi professor de Iniciação Musical, Artes e Teoria da Cor. Ministrou cursos de Teoria da Cor em cursos de extensão da Escola de Belas Artes da UFMG e da Escola Guignard, assim como no curso de Restauração da FAOP.

Bate-papo

No dia 5 de abril, das 19h30 às 21h, será realizado o Bate-papo “Vida e Obra de Nello Nuno e Eliana Rangel”, com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel, na Casa Fiat de Cultura. A entrada é gratuita, com espaço sujeito à lotação (200 lugares) e distribuição de senhas a partir das 18h30.

Programa Educativo

As visitas mediadas à exposição serão realizadas em três eixos: biográfico, temático e técnico/estético. No eixo biográfico ,serão exploradas as trajetórias dos artistas, apresentando ao público Nello Nuno – autodidata artista e professor –, em diálogo com sua irmã Eliana Rangel – pintora, desenhista e ilustradora. O eixo temático aborda o cotidiano afetivo e o imaginário fantástico, tão bem construídos no trabalho de Nello, e a memória e a ancestralidade presentes nas obras de Eliana. Já no eixo técnico/estético, o foco é a pintura como linguagem, por meio da apresentação de análises das cores, texturas e composições das obras.

Dentro das ações de acessibilidade, o Programa Educativo oferece audiodescrição ao vivo da galeria e das principais obras da mostra para pessoas cegas. Serão disponibilizadas ao público duas placas com reproduções táteis (alto relevo) dos quadros dos artistas; e duas telas de materiais diferentes (tecido e papel) cobertas em tinta acrílica, muito usada por Nello e Eliana, para que o público possa sentir os diferentes resultados de textura. Também será oferecido um tablet com apresentação de informações básicas sobre a exposição em áudio e libras. Todo o material de acessibilidade deve ser solicitado à equipe educativa.

 

SERVIÇO

Exposição Construções Afetivas: Nello Nuno e Eliana Rangel na Casa Fiat de Cultura

6 de março a 6 de maio de 2018

Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

 

Bate-papo: Vida e Obra de Nello Nuno e Eliana Rangel

Com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel

5 de abril

19h30 às 21h

Entrada gratuita

Espaço sujeito à lotação (200 lugares); distribuição de senhas a partir das 18h30

 

FAD – BIENAL DE ARTE DIGITAL

A Bienal de Arte Digital conta com exposições e performances de artistas de diferentes países explorando o tema “linguagens híbridas” em vários espaços de Belo Horizonte. As obras de Ana Moravi (BRA) e Mark Klink (EUA), exibidas na Casa Fiat de Cultura, propõem reflexões ligadas à transcedência do corpo e às experiências do olhar. Informações: bienalartedigital.com.

 

SERVIÇO

Dia: até 29/abril

 

Terça a sexta, das 10h às 21h; sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

Informações:  (31) 3289-8900

O PAINEL “CIVILIZAÇÃO MINEIRA” DE CANDIDO PORTINARI

Tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), este é o maior painel de Candido Portinari em Minas Gerais, medindo 2,34 X 8,14 metros. Em exposição permanente, a obra conta, agora, com ficha técnica em braile, além de peças multissensoriais que fazem parte dos recursos de mediação para pessoas com deficiência visual. O painel retrata a mudança da capital mineira, da cidade de Ouro Preto para Belo Horizonte, em 12 de dezembro de 1897. Em meio à paisagem, a presença de Tiradentes e outras personalidades retoma outro marco da história do Estado: a Inconfidência Mineira (1789). Com técnica mista, têmpera e óleo, a obra é caracteristicamente modernista, sem abrir mão de fundamentos da pintura clássica. Portinari (1903 – 1962) é considerado um dos maiores artistas brasileiros do século XX, tanto por sua produção estética quanto pela atuação consciente nos âmbitos cultural e político.

A conservação do painel de Portinari foi feita pelo Grupo Oficina de Restauro, mesma equipe de especialistas que realizou a restauração da obra em 2014, quando a Casa Fiat de Cultura assumiu a salvaguarda do painel. De acordo com a coordenadora do projeto de conservação, Rosângela Reis Costa, “o exercício de avaliação e intervenção periódicas ao painel é essencial para que o trabalho original do pintor seja preservado, evitando perdas irreparáveis ou a necessidade de uma nova restauração, medida que só é tomada quando a obra já está muito danificada pelo tempo e manuseio indevido”.

 

SERVIÇO


Exposição permanente: painel Civilização Mineira, 1959 (Candido Portinari)

Horário: das 10h às 21h de terça à sexta

das 10h às 18h sábado, domingo e feriados

Entrada gratuita

CONCURSO CULTURAL MULHER ARTISTA

 

Mulher qual é a sua arte? A Casa Fiat de Cultura valoriza todos os tipos de criação artística. Participe do nosso novo concurso cultural: durante o mês de março publique uma foto ou vídeo de até 50 segundos sobre a sua arte no Facebook e Instagram com as hashtags #MulherArtistaCFC, #CasaFiatdeCultura e #VEMpraCASA. O post selecionado, por uma comissão de mulheres da Casa Fiat de Cultura, receberá o livro sobre a vida e obra da pintora e desenhista Eliana Rangel, artista que está na nova exposição Construções Afetivas [abertura 6/03], e um café especial no Café da Casa.

 

QUEM PODE PARTICIPAR:

Mulheres de todas as idades que fazem todos os tipos de arte.

 

O TRABALHO SELECIONADO RECEBERÁ:

– 1 (um) exemplar do livro “Eliana Rangel: construções afetivas” escrito por Márcio Sampaio

– 1(um) café especial no Café da Casa para ser utilizado até o final da exposição 6/05/18.

 

REGULAMENO:

– período de participação 01/03 até 31/03

– Cada participante pode concorrer com apenas 1 foto ou vídeo, será considerada a primeira postagem.

-A participação no Concurso Cultural “Você Mulher Artista” implica a ciência e o consentimento de que as fotos publicadas com as hashtags #MulherArtistaCFC, #CasaFiatdeCultura e #VEMpraCASA no Facebook e no Instagram,  assim como o nome da selecionada, poderão ser utilizadas para divulgação da Casa Fiat de Cultura em todas as mídias disponíveis, tais como peças impressas, canais de televisão e internet. Casa a escolhida seja menor de idade, os pais ou responsáveis deverão autorizar a divulgação para tais fins.

– A foto precisa ter um mínimo de 150 dpi e o vídeo duração máxima de 50 segundos.

 

COMISSÃO JULGADORA:

– Todas as fotos e vídeos serão avaliados por uma comissão formada por mulheres que trabalham na Casa Fiat de Cultura.

 

RESULTADO:

resultado será divulgado até o dia 16/04. A pessoa será comunicada por mensagem direta na rede social em que participou do concurso (Facebook ou Instagram) e será divulgado nas redes sociais e site da Casa Fiat de Cultura, com o nome da participante e a imagem selecionada.

LANÇAMENTO LIVRO “JESUS”  DO ESCRITOR E JORNALISTA RODRIGO ALVAREZ NA CASA FIAT DE CULTURA

 

Escrito pelo autor laico brasileiro que mais vende livros de temática religiosa no país, “Jesus – O homem mais amado da História” é a obra mais atual sobre a vida daquele que ensinou a humanidade a amar e dividiu a História em antes e depois. O escritor e jornalista Rodrigo Alvarez recorreu às fontes bibliográficas mais recentes, investigou as mais antigas (entre elas diversos manuscritos originais) e viajou pelos mesmos lugares percorridos por Jesus em seu tempo. O autor estará em Belo Horizonte na quarta, 4 de abril, para autografar o livro na Casa Fiat de Cultura.

Fartamente ilustrado, o livro é resultado de uma pesquisa que buscou a informação em estado bruto – o mais livre possível dos interesses políticose religiosos que sempre manipularam a História. O autor foi aos evangelhos, aos Atos dos Apóstolos, às cartas de Paulo, aos tratados de patriarcas, aos livros judaicos, às profecias, aos pergaminhos que os primeiros bispos da Igreja tentaram apagar na fogueira e aos livros gnósticos, com suas visões místicas, para reapresentar o leitor a uma figura histórica que, ao mesmo tempo Deus e humano, foi humilhado, traído, quebrou regras, desafiou e foi desafiado.

Rodrigo viveu três anos em Jerusalém, de onde partiu para visitas ao Sepulcro de Jesus, à Gruta da Natividade em Belém, a Nazaré, à Turquia, à Jordânia, ao Chipre, ao Mar Morto e, claro, ao rio Jordão. Caminhou pelos mesmos desertos que Jesus, meditou no alto das mesmas montanhas, pisou nas mesmas pedras, entrou nas cavernas de Jericó, tomou banho no Mar da Galileia e subiu ao monte onde a tradição afirma que Jesus fez seu sermão inaugural.

O livro aborda temas como a disputa com João Batista, o papel de Maria Madalena na vida de Jesus e manuscritos que, segundo interpretação divergente da tradição cristã predominante, resultam dos segredos de Jesus revelados a alguns apóstolos.

Da visão de Jesus sobre o apocalipse à reconstituição, em detalhes, dos últimos passos antes de sua morte, Rodrigo Alvarez conduz o leitor numa narrativa elegante e acessível. Mesmo quando caminha por passagens conhecidas o faz de uma maneira nova e emocionante, destrinchando também as descobertas arqueológicas mais recentes. Guiada pelos fatos, a obra lança luz sobre um Jesus de antes do cristianismo e de todas as suas divisões futuras – e que mostra a todos os leitores, cristãos ou não, e até mesmo ateus, a relevância e a permanência da trajetória de um homem que pregou o amor e a tolerância e elevou a ética humana a outro patamar.

“Jesus – O homem mais amado da História” é dedicado, nas palavras do autor, “aos católicos, aos evangélicos – cristãos de todas as cores – e também aos espíritas, aos muçulmanos, aos budistas, aos seguidores de outras religiões, ou de nenhuma; a todos aqueles que, como Jesus, entendem que o amor ao próximo é a parte mais bonita de nossa existência – e que toda a existência humana, por si só, sempre foi e será sagrada.”

Sobre o autor
Rodrigo Alvarez começou a pesquisa sobre temas religiosos em 2011 e desde então publicou best-sellers como Aparecida e Humano demais. O autor prossegue em suas pesquisas religiosas e promete mais um livro sobre a presença de Jesus Cristo na História e o quanto a História se faz em seu nome, além de estar preparando sua estreia na ficção. Rodrigo é correspondente da TV Globo na Europa.

 

SERVIÇO

Rodrigo Alvarez autografa livro “Jesus – O homem mais amado da História”

Dia: 4/04

Horários: 19h às 21h

Será vendido o livro neste dia no valor de R$44,90

 

Informações:  (31) 3289-8900

Bate-papo com Márcio Sampaio e Nello Rangel

Um bate-papo descontraído com os curadores Márcio Sampaio e Nello Rangel, que revelará histórias pessoais e aspectos da produção artística dos irmãos Nello Nuno e Eliana Rangel. As obras destes dois artistas estão em exibição na exposição Construções Afetivas. O público conhecerá também alguns conceitos presentes na curadoria da exposição.

 

SERVIÇO

Dia: 5/04

Horários: 19h30 às 21h

Vagas: 200 vagas (A distribuição das senhas será a partir das 18h30)

 

Informações:  (31) 3289-8900

Mia Couto 

Mia Couto, reconhecido escritor moçambicano, abordará na palestra Políticas da Memória no Tempo Presente aspectos do nosso conturbado mundo contemporâneo. Ele tem conquistado leitores de vários países, exercitando, na lapidação da palavra, a arte de reencantar o mundo.

 

SERVIÇO

Dia: 12/04

Horários: 19h30 às 21h

Vagas: 200 vagas (A distribuição das senhas será a partir das 18h30)

 

Informações:  (31) 3289-8900

O Amor Sagrado e o Amor Profano de Tiziano 

A obra prima do renascimento italiano “O Amor Sagrado e o Amor Profano de Tiziano” será o tema da próxima palestra do programa Quartas Italianas. O professor Marco Elizio de Paiva irá mostrar como a arte veneziana do artista glorificava as figuras femininas por meio de características das tradições clássicas. A distribuição de senhas será a partir das 18h30.

 

SERVIÇO

Dia: 25/04

Horários: 19h30 às 21h

Vagas: 200 vagas (A distribuição das senhas será a partir das 18h30)

 

 

Informações:  (31) 3289-8900

RESIDÊNCIA ARTÍSTICA

As inscrições para o Programa de Residência Artística em Arte Digital da Casa Fiat de Cultura estarão abertas de 10 a 29 de Abril. Cada participante deverá submeter um projeto relacionando o painel Civilização Mineira, de Candido Portinari, à cidade de Belo Horizonte, a partir do conceito de museu fora do museu. Curadoria: Pablo Gobira.

SERVIÇO

Inscrições: 10/04 a 10/05 pelo email educativo@fcagroup.com

Período da Residência Artística: 14/05 a 03/06

Vagas: 8 vagas. Informações: (31) 3289-8910

ATELIÊ ABERTO STOP MOTION 

O público será convidado a produzir Animações Stop Motion, linguagem híbrida que transita no digital/material em diferentes técnicas. O registro, a edição e a publicação serão realizadas nos celulares dos próprios participantes. Sábados, domingos e feriados.

 

SERVIÇO

Dias: 7, 8, 14, 15, 21, 22, 28 e 29/04

Horários: 10h às 11h30min – famílias e crianças até 12 anos.

14h ás 17h30min – jovens e adultos maiores de 12 anos.

Vagas: 15 por horário (não precisa de inscrição prévia)

 

*Crianças com idade até 5 anos deverão ser auxiliadas pelos responsáveis durante as atividades.

*Crianças com idade até 10 anos deverão ser acompanha pelos responsáveis.

*Todos os participantes deverão vestir roupas confortáveis e apropriadas ao manuseio de tintas, colas e outros materiais.

 

Informações:  (31) 3289-8910

ENCONTROS COM O PATRIMÔNIO: TIRADENTES

 

O passeio cultural abordará a biografia, a construção do mito e a representação iconográfica de Tiradentes. Serão visitados o painel Civilização Mineira, de Cândido Portinari, instalado no hall da Casa Fiat de Cultura, e os monumentos das praças Mendes Júnior e Tiradentes em uma abordagem histórica, técnica e estética.

SERVIÇO

Dia: 22/04

Horários: 10h às 12h – Ponto de Encontro hall da Casa Fiat de Cultura

Vagas: 20 vagas  com inscrição prévia de 17 a 22/04 clicando aqui

A distribuição das senhas será feita a partir das 10h na Casa Fiat de Cultura, sujeito a lotação (30 vagas). Para retirada da senha (que é gratuita) é necessário apresentar o cadastro feito no link até o dia 22/04 às 9h.

 

Informações:  (31) 3289-8910

MÚSICA NA CAPELA 

Stabat Mater (do latim “Estava a mãe”) é uma peça sacra e uma das obras primas de Pergolesi. Ela será apresentada no programa Música na Capela pelo Quarteto Musik com a participação do cravista Antônio Carlos Magalhães e dois cantores solistas convidados.

 

SERVIÇO

Dia: 29/04

Horários: 11h às 12h

 

Informações:  (31) 3289-8900

MINICURSO DE INTRODUÇÃO À FOTOGRAFIA DIGITAL 

Hoje os celulares, tablets ou câmeras tem a função de registrar momentos. Venha aprender técnicas e fundamentos essenciais da fotografia (composição, enquadramento, foco, luz e sombra) para explorar a criatividade e qualidade do registro de cenas do cotidiano.

SERVIÇO

 

Horários: 19h às 21h

Vagas: 15 vagas

Inscrições: de 13 a 17/03 pelo link: https://bit.ly/2H5WRcY

Informações:  (31) 3289-8910

Balklänning Robe De Mariée Robe De Mariée Balklänning