Como Chegar

Música na Capela – Grupo Capela Minas Barroca

MÚSICA NA CAPELA –  GRUPO CAPELA MINAS BARROCA

No domingo, 16 de setembro, a Casa Fiat de Cultura convida os visitantes a uma viagem musical que começa na Europa e chega à Minas Gerais dos séculos 17 e 18. O público será recebido pelo grupo Capela Minas Barroca, regido por Guilherme Matozinhos da Silva, que apresentará as diversas linguagens da música barroca. Esta é a primeira vez que o grupo participa do programa Música na Capela e é formado pelos músicos Rafael Marcenes e João Antônio Freitas Ribeiro (violinos), Domingos Sávio Lins e Aline Azevedo (flautas), Nathali Araújo (espineta), Henrique Dener Costa (percussão), Priscila Neves (soprano), Heitor Araújo (contratenor) e Robson de Aguiar (baixo). A apresentação será na Capela de Santana, localizada nos jardins da Casa Fiat de Cultura, às 11h. O concerto tem uma hora de duração e a entrada é gratuita, com espaço sujeito à lotação (80 lugares).

Criada na Europa no século 17 e difundida pelo mundo, especialmente nos países que eram colonizados por europeus naquela época, a música barroca foi ressignificada por onde passava e ganhou diversos estilos até o século 18. Com a proposta de mostrar toda essa riqueza, a Capela Minas Barroca traz importantes referências do barroco ao Música na Capela. O repertório é formado quase inteiramente por composições italianas. Ainda no programa, obras provenientes da Alemanha, da França e da América Latina, com destaque para o barroco mineiro.

O concerto começa com duas composições instrumentais e de autoria desconhecida: a italiana “Divisions upon an Italian Ground” e “Pastoreta Ychepe Flauta”, composta na América Latina dentro das missões jesuítas. A apresentação segue com músicas do primeiro período barroco. Serão interpretadas duas obras do italiano Claudio Monteverdi – um dos compositores que marcou o início do gênero –, a canção “Oh Roseta Che Roseta” e o dueto “Pur ti Miro”, da ópera “L’incoronazione di Pompei”, e uma de Francesco Cavalli, “Menfi, mia Patria”, ária da ópera “La Statira”, aluno de Monteverdi. De Jean-Baptiste Lully, italiano radicado na França que se tornou o principal compositor da corte do rei Luís XIV, será interpretada “La Chaconne des Magiciens”, trecho do ballet (ópera francesa) “La Pastorale Comique”.

Obras do segundo período barroco integram o programa. Do grande compositor italiano Vivaldi, será interpretado um trecho da peça sacra “Sileant Zephyri”. Em seguida, uma ária da ópera “Giulio Cesare”, “Dal Fulgor di Questa Spada”, criada pelo alemão Händel. De volta aos italianos, a Capela Minas Barroca tocará a peça sacra “Deus in Adjuntorium”, de Domenico Zipoli, que viajou pela América Latina como professor de música a convite dos missionários jesuítas; além de dois trechos da ópera cômica “La Serva Padrona”, uma importante composição do período, “Stizzoso” e “Per te io ho nel core”. Uma obra do barroco mineiro, também conhecido como barroco tardio, finaliza o concerto: “Difusa”, trecho da peça sacra “Tercio”, composta pelo principal representante do estilo, Lobo de Mesquita.

Desde 2015, o Música na Capela busca ampliar a formação musical do público, ao oferecer apresentações de experientes corais e grupos de câmara, com repertório diversificado e acesso gratuito. O programa é uma realização do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e da Casa Fiat de Cultura, com patrocínio de Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Banco Fidis, Fiat Chrysler Finanças, Fiat Chrysler Participações e Banco Safra, e com apoio de Circuito Liberdade, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais (Iepha), Governo de Minas e Governo Federal.

 

Capela Minas Barroca

O grupo faz parte da Orquestra Minas Barroca e Coro e foi criado com o intuito de desenvolver um repertório específico do século XVII. A Capela Minas Barroca dedica-se à pesquisa e difusão de peças entre o final do período Renascentista e o Barroco, contemplando árias de ópera, cantigas, chaconas, madrigal e villancicos de importantes compositores como Monteverdi, Cavalli, Lully e Lobo de Mesquita.

A Orquestra Minas Barroca e Coro foi fundada em 2013 por Guilherme Matozinhos da Silva, regente e diretor musical, com o auxílio do musicólogo Domingos Sávio Lins Brandão. A Orquestra dedica-se a executar os registros do patrimônio histórico da produção musical do barroco mineiro, por meio da montagem de espetáculos musicais das obras que integravam o acervo do maestro Francisco Solano Aniceto (1886- 1972), popularmente conhecido como Maestro Chico Aniceto, além de músicas europeias tocadas em Minas Gerais no século XVIII.

Guilherme Matozinhos da Silva, regente

Natural de Belo Horizonte (MG), Guilherme é licenciado com habilitação em Contrabaixo pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) e desenvolveu pesquisa a partir de financiamento da Fundação de Amparo a Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG) e da própria universidade, de 2009 até 2014, sob orientação do professor Domingos Sávio Lins Brandão. Participou da publicação de resumos dos 11º, 12º, 13ª e 14º Seminários de Pesquisa e Extensão da UEMG (2009, 2010, 2011, 2012).

Em 2015, na Universidade de Rostock (Alemanha), atuou como instrumentista no projeto “Kolonialismus und Romantismus: Liturgische Musik aus Minas Gerais (Brasilien) von Lobo de Mesquita” (Colonialismo e Romantismo: Música Litúrgica de Minas Gerais (Brasil) por Lobo de Mesquita, em português”) e palestrante no workshop “Editions of musical manuscripts from Minas Gerais and musical practice” (“Edições de manuscritos musicais de Minas Gerais e prática musical”, em português), Guilherme fundou e coordena a Orquestra Minas Barroca e Coro desde 2013.

Serviço

Música na Capela de Santana da Casa Fiat de Cultura

Capela Minas Barroca

16 de setembro de 2018, domingo, das 11h às 12h

Entrada gratuita

Espaço sujeito à lotação (80 lugares)

Programa

Anônimo (séc. XVII)

Divisions upon an Italian Ground

Anônimo (séc. XVIII)

Pastoreta Ychepe Flauta

C. Monteverdi (1567 – 1643)

Pur ti Miro | L’incoronazione di Pompei

Oh Roseta Che Roseta | L’incoronazione di Pompei

F. Cavalli (1602- 1676)

Menfi, mia Patria | La Statira

J.B. Lully (1632 – 1687)

La Chaconne des Magiciens | La Pastorale Comique

A. Vivaldi (1678- 1741)

Sileant Zephyri

G.F. Handel (1685 – 1759)

Dal Fulgor di Questa Spada | Giulio Cesare

D. Zipoli (1688 – 1726)

Deus in Adjuntorium

G.B. Pergolesi (1710 – 1726)

Stizzoso | La ServaPadrona

Per te io ho nel core | La ServaPadrona

J.J.E. Lobo de Mesquita (174? -1805)

Difusa | Tercio

Balklänning Robe De Mariée Robe De Mariée Balklänning