Como Chegar

Guignard e o Oriente

Apresentação

A mostra Guignard e o Oriente: China, Japão e Minas, que o Museu de Arte do Rio Grande do Sul inaugura no dia 16 de setembro, destaca a relação natural e concreta da obra de um dos maiores pintores brasileiros, que viveu em Minas Gerais desde a década de 1940, com as tradições artísticas orientais. Com curadoria do crítico Paulo Herkenhoff e concepção de Priscila Freire, ex-diretora do Museu de Arte da Pampulha de Belo Horizonte, a exposição é resultado de uma vasta pesquisa e incorpora um conjunto de 45 pinturas de Guignard e paisagens de seu contemporâneo, o mestre chinês Zhang Daqian, que viveu em São Paulo na década de 1950, gravuras japonesas da tradição Ukyio-e, fotografias e objetos como um biombo chinês, um relógio e um oratório de meados do século 17 com moldura moda de laca chinesa.

A mostra é resultado de uma parceria entre o Governo do Estado do Rio Grande do Sul, através da Secretaria de Estado da Cultura, com a Casa Fiat de Cultura e tem patrocínio da Fiat Automóveis. “Não há fronteiras para a arte. Por acreditar em tal ideia é que a Casa Fiat de Cultura busca levar as obras dos grandes artistas do mundo a diversos pontos do Brasil. A partir do dia 16, os gaúchos poderão apreciar a beleza, a intensidade e a inspiração dos quadros de Guignard, que, com seu olhar também sem fronteiras, nos revela, nesta exposição, a força da aproximação entre o Ocidente e o Oriente”, destaca o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira.

Desde o início da década de 1980, historiadores do Rio de Janeiro apontaram referências de Guignard tradição da pintura chinesa, das paisagens verticalizadas que correm sobre a superfície da tela e dispensam a perspectiva linear com ponto de fuga. As pesquisas de Paulo Herkenhoff levaram-no conclusão de que a relação de Guignard com a arte chinesa é bem mais complexa, passando por outras questões como a representação da nuvem, formas de mobiliário, traços ideogramáticos ou modos de disposição de objetos no céu. Diagnosticou a influência do efeito de treliça da gravura japonesa do Ukiyo-e nas paisagens do Jardim Botânico do Rio de Janeiro ou do Parque Municipal de Belo Horizonte.
O curador estabeleceu um terceiro foco da relação de Guignard com o Oriente: as chinesices que proliferaram nas igrejas coloniais em Minas Gerais. Outro ponto de sua argumentação relaciona a obra de Guignard fundação do Serviço de Proteção ao Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Segundo Herkenhoff, uma paisagem de Guignard pode ser um complexo campo arqueológico da história. “A matéria pictórica não se sobrepõe como camadas de sedimentos, mas realiza seu oposto: o signo pictórico expõe índices – melhor seria chamá-los de vestígios. A transparência do óleo aposto e o traço indicial do pincel constituem vestígios daquilo que alguns denominariam memória e outros, história. O pincel do arqueólogo é um dos instrumentos de retirada de toda matéria sedimentar que paulatinamente se depositou e encobriu os objetos encontrados de um sítio arqueológico. O pincel de Guignard os torna visível. Sua operação arqueológica é constituir a presença da história.”

Para Herkenhoff, os vestígios históricos da paisagem de Guignard são a memória subjetiva, a história colonial contagiada pela modernidade (o trem de ferro e a fábrica) e a história da arte cruzada em construção transcultural para abrigar o Oriente. É necessário, segundo ele, pensar numa segunda dimensão de arqueologia na pintura do artista. “Já não lhe basta inscrever a história, mas cumpre estabelecer múltiplas ocorrências: a tradição europeia renascentista e romântica, a arte chinesa e japonesa e a herança colonial brasileira.” Outra abordagem de Herkenhoff é a relação fenomenológica da formação das montanhas e das nuvens, os processos de flutuação e da gravidade visível, que teria um pé na arte europeia e brasileira (Visconti e outros), além da oriental.

Serviço:

Guignard e o Oriente: China, Japão e Minas
Período: 16 de setembro a 7 de novembro de 2010
Visitação: terças a domingos, das 10h s 19h – entrada franca
MARGS – Praça da Alfândega, s/n – Centro / Fone: 51 3227 2311

Informações:

Casa Fiat de Cultura
(31) 3289-8900
casafiat@casafiat.com.br

Divulgação:

Pauta Assessoria – www.pautaassessoria.com.br / 51 3333 5756 / 3332 4670
Lelei Teixeira e Vera Carneiro
Atendimento: José Walter de Castro Alves – zewalter@pautaassessoria.com.br

Comunicação MARGS
Manoela Rysdyk
Praça da Alfândega s/nº, Centro
Porto Alegre – RS – Brasil – Cep 90010-150
(51) 3225 7551 fax (51) 3221 2646
comunicacao@margs.rs.gov.br / www.margs.rs.gov.br
Porto Alegre, 19 de agosto de 2010

Árvore de Comunicação
Rafael Araújo

Informações para a imprensa:
Polliane Eliziário – (31) 3194-8704 – (31) 8329-1513
polliane@arvoredecomunicacao.com.br

Balklänning Robe De Mariée Robe De Mariée Balklänning